Acervo do Museu Casa Histórica de Alcântara

Turma de Geografia da UFMA em frente ao Museu Casa Histórica de Alcântara, em 2019, Praça da Matriz. Foto: Yuri Logrado

O sobrado nº7 que hoje é sede do Museu Casa Histórica de Alcântara atravessou seus quase dois séculos de existência adaptando-se às guinadas da história. Trata-se de parte de um conjunto de três sobrados construídos, segundo relatos de cronistas, no final do século XVIII e início do século XIX.

A conformação material deste sobrado espelha o contexto em que foi construído. Trata-se de uma construção patriarcal, onde diversas atividades se conjugam no mesmo espaço. O primeiro andar abrigava os domínios do trabalho, em contato com o mundo exterior. No segundo andar, ficavam os espaços íntimos dos membros da família. A escravidão deixou também suas marcas com indícios da existência de senzalas conjugadas ao sobrado.

O museu integra o sítio histórico de Alcântara, tombado em nível federal pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN em 1948 e está inscrito no livro Histórico de Belas Artes e no livro Arqueológico, Etnológico e Paisagístico.

Em 1986, por meio do Decreto Presidencial de nº 93.656 o sobrado e todo o acervo composto por móveis, peças avulsas, pratarias, vidraria de farmácia, alfaias, peças de vestuário, porcelanas, indumentárias, acessórios, ferragens e demais objetos de valor histórico foram declarados bens de utilidade pública e desapropriados com o objetivo de implantar o Museu da Cidade. Os bens desapropriados estavam sob a guarda do último herdeiro da família Guimarães, o Sr. Heidimar Guimarães Marques.

A partir de 1987, o sobrado e todo o acervo ficaram sob a guarda do IPHAN e após dezoito anos de sua criação, em junho de 2004, o museu foi inaugurado como “Museu Casa Histórica de Alcântara”.  Em 2009 o prédio e o acervo passam para a gestão do Instituto Brasileiro de Museus-IBRAM.

Diagnóstico

Atualmente o museu possui 2077 (dois mil e setenta e sete) itens inventariados dos quais 653 encontram-se em exposição, 1273 (mil duzentos e setenta e três) na Reserva Técnica e 151 (cento e cinquenta e uma) peças acondicionadas em móveis do próprio acervo. Os objetos do acervo estão sendo analisados item a item para levantamento do estado de conservação, localização e histórico relacionado aos inventários anteriores.